A genitalização das pessoas e dos relacionamentos

Gênero à Deriva

[Aviso de conteúdo: Esse texto usa certos termos para identificar genitais de pessoas trans*; faço uma ressalva que nem todas as pessoas trans* se sentem confortáveis com tais nomenclaturas, havendo aquelas que se sentem empoderadas e aquelas que sentem disforia. Esse texto parte da visão de uma mulher trans* queer que se sente empoderada em identificar o próprio genital com certos termos].

Muitas pessoas me perguntam no ASK se elas têm preconceito porque não se relacionariam com mulheres ou homens trans*, sempre fazendo alusão ao genital. Muitas acham que defender a não-genitalização dos relacionamentos é fazer condicionamento de sexualidades. Nada poderia estar mais longe do que isso. O único condicionamento que consigo perceber nisso é a ideia de que o genital é uma categoria fundante das relações interpessoais. Que se um genital não condiz com as minhas expectativas de gênero da pessoa com a qual eu quero me relacionar, isso…

Ver o post original 609 mais palavras

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s